Páginas

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Valores invertidos, quem é realmente o responsável pela nossa incapacidade laborativa?


Bom, eu sou vigilante, então vou explicar como funciona na minha área de atuação, é claro, vamos supor que vocês estejam nas suas casas e de repente passa mal, você vai procurar um médico para te atender, este médico é geralmente, clinico geral, que te encaminha para o médico qualificado para seu caso, esses médicos são chamados de médicos assistencialistas os outros são médicos peritos. 

MÉDICO ASSISTENCIALISTA

O médico que dedica-se à saúde das pessoas, estudando as causas das doenças e buscando a melhor maneira de combatê-las ou prevení-las. Realiza exames clínicos de laboratórios para obter um diagnóstico, definindo o tratamento a ser adotado, com base nos resultados. Prescreve medicamentos, realiza cirurgias e participa de pesquisas que visam a descoberta de novas drogas.

CAMPO DE TRABALHO

Apoio Diagnóstico – Realiza exames com a finalide de obter diagnósticos, utilizando-se de aparelhos de ressonância magnética, ultra-som e cateterismos para avaliar problemas em órgãos internos.

Medicina Cirúrgica – Realiza cirurgias nas diferentes partes do corpo humano por motivos de saúde ou estéticos.

Medicina Clínica – Diagnostica e trata de doenças nas seguintes áreas: Alergia e Imunologia, Anestesiologia, Angiologia, Broncoesofalogia, Cancerologia ou Oncologia, Cardiologia, Citopatologia, Dermatologia, Eletroencefalografia, Endocrinologia e Metabolia, Endoscopia, Fisiatria, Foniatria, Gastroenterologia, Genética Clínica, Geriatria e Gerontologia, Ginecologia, Hansenologia, Hematologia, Hemoterapia, Infectologia, Nefrologia, Neurofisiologia, Neurologia, Nutrologia, Obstetrícia, Oftalmologia, Ortopedia e Traumatologia, Otorrinolaringologia, Patologia Clínica, Pediatria, Pneumologia, Proctologia, Psiquiatria, Radiologia, Radioterapia, Reumatologia, Sexologia, Terapia Intensiva, Tisiologia e Urologia.

Medicina Esportiva – Tratamento de doenças e lesões decorrentes da prática de esportes; orientação de atividades físicas e trabalho com preparadores e fisioterapeutas.

Medicina Legal – É o profissional responsável pelos exames em pessoas vivas ou mortas, investigações de paternidade e autópsia de cadáveres para determinar as causas da morte.

Medicina Social – Prevenção e tratamento de doenças em grupos definidos. Pode atuar em medicina comunitária e sanitária ou em medicina do trabalho.


Um desses médicos assistencialistas é o psiquiatra, entenda abaixo qual a sua área de atuação.


Nunca Consultou com um Psiquiatra?

Como é a Consulta com um Médico Psiquiatra? Psiquiatra é Médico de Loucos?

Não há registro em toda a história humana de um período tão conturbado como o que estamos vivendo. As pressões são muitas e vêm de todos os lados: pressões no trabalho, dificuldades financeiras, problemas familiares, dificuldades de convívio, traições, querelas e litígios, falsos testemunhos, pessoas agressivas e frias, perdas pessoais diversas, infidelidade, violência por todos os lados, enfim, um mundo que está muito mais para um imenso vale de lágrimas do que para um mar de rosas. E o que todas estas coisas tendem a causar nas pessoas? Insegurança, medo, ansiedades e depressões.
Todos estes fatores listados acima tendem a causar um desequilíbrio psíquico e afetivo nas pessoas, e uma vez instalado esse desequilíbrio podem ser muitas as formas de apresentação dos sintomas que as pessoas passam a experimentar: desânimo, tristeza, inquietação, medos, insônia, tremores, dores no estômago, diarréias, queda de cabelos, pruridos pelo corpo, desestímulo, um cansaço fora do normal, pensamentos autodestrutivos, idéias pessimistas, queda no desempenho funcional no trabalho ou nos estudos, irritabilidade, enfim, uma como que nuvem negra começa a pairar sobre a vida das pessoas e o sofrimento psíquico passa a se tornar uma constante desagradável no dia a dia.
E como o Médico Psiquiatra pode Ajudar?
A Psiquiatria (do grego Psyché = alma; + iatria = tratamento) é a especialidade médica que diagnostica e trata dos transtornos da mente, da personalidade, dos afetos e do comportamento. Nossa função profissional como médicos é não somente promover a saúde mental e física, mas também identificar disfunções, sejam elas orgânicas ou psíquicas, e tratá-las. Para dar exemplos: Se alguém apresenta intensas dores na coluna vertebral, procedemos à investigação médica da coluna do paciente (através de uma Tomografia Computadorizada, por exemplo), e se houver a presença de alguma lesão, esta deverá ser adequadamente tratada. Este tipo de problema é conhecido por lesão orgânica (de órgão). Por semelhante modo, as disfunções da psiquê (alma/mente) e as disfunções dos afetos (sentimentos, emoções) - portanto disfunções psico-afetivas - também precisam ser investigadas e adequadamente tratadas. Porém, não se pode tirar uma Tomografia Computadorizada da alma de ninguém, assim como não se pode dosar a angústia das pessoas através de um exame de sangue. Todavia, existem técnicas e metodologia específicas da Psiquiatria a fim de que os problemas da mente e da alma seja investigados e, consequentemente, tratados.
Vale aqui mencionar que existem doenças que pertencem ao território da Neurologia e da Psiquiatria, como a doença de Alzheimer, sequelas neurológicas pós-Acidente Vascular Cerebral (AVC), a Epilepsia, dentre outras, onde podem ser visualizadas lesões através de exames de imagem, por exemplo. Porém a imensa maioria dos transtornos psiquiátricos não é visível a não ser pelas manifestações clínicas da doença (os sinais e os sintomas) e pelas alterações do pensamento, dos sentimentos e do comportamento da pessoa acometida. E uma vez detectado o problema, passa-se, cuidadosamente, ao diagnóstico do problema. Este deve ser feito com cuidado, com acurácia e técnica, sem precipitações, a fim de que o paciente entenda bem o que se está passando com ele. Em seguida, passa-se ao tratamento adequado do problema diagnosticado.
Os Tratamentos em Psiquiatria
Existem basicamente três grandes grupos de tratamento em Psiquiatria: O Tratamento Psicoterápico (aquele que é feito sem a prescrição de medicamentos), o Tratamento Farmacológico (feito com medicação psiquiátrica - antidepressivos, ansiolíticos, estabilizadores do humor, antipsicóticos, dentre outros), e o Tratamento Combinado, em que o Psiquiatra se utiliza do Tratamento Psicoterápico e do Tratamento Farmacológico.
Seja qual for o tratamento recomendado, este só deve ser iniciado após um esclarecimento objetivo ao paciente sobre os objetivos do tratamento, sua provável duração, seus custos, seus possíveis efeitos adversos (no caso do tratamento com medicação), sendo o paciente quem irá decidir se aceita ou não o tratamento proposto. É o chamado acordo terapêutico entre o Psiquiatra e o Paciente. Por isso a relação médico-paciente deve ser orientada visando um excelente relacionamento entre ambos, pautado na ética, na técnica e no respeito ao ser humano.
Por que o Psiquiatra é chamado de Médico de Loucos?
Por um motivo muito simples. Até algumas décadas atrás (anteriormente a Segunda Grande Guerra - 1939-1945), havia não somente pouca sofisticação no diagnóstico psiquiátrico, assim como eram muito precários os meios de tratamento em psiquiatria. Logo, diagnósticos como Esquizofrenia, Psicose-Maníaco Depressiva, Retardo Mental, dentre outras doenças psiquiátricas, eram todas enquadrados em um único termo: “loucura”, sobretudo por leigos. A psiquiatria já existia àquela época, logo os psiquiatras eram os médicos que tratavam dos “loucos”.
Isto tudo mudou dramaticamente nas últimas décadas, sobretudo após a década de 90. Hoje a Psicopatologia, a ciência que estuda os Transtornos Mentais é altamente sofisticada, e os métodos de tratamento psiquiátrico bastante eficazes em sua grande maioria. Logo, o termo “médico de loucos” já não mais se justifica em nossos dias, até porque as doenças psiquiátricas mais frequentes (prevalentes) nada têm a ver com loucura.
Segundo um estudo realizado em 2008 pelo Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos, dentre os Transtornos Psiquiátricos mais frequentes na população estão:
Os Transtornos do Humor: As Depressões, o Transtorno Distímico, o Transtorno do Humor Bipolar, e os Suicídios.
- Transtornos de Ansiedade: Síndrome do Pânico, Transtorno Obsessivo-Compulsico (TOC), Transtorno de Estresse Pós-traumático, Ansiedade Generalizada, Fobia Social, Agorafobia, Fobias Específicas.
- Transtornos da Alimentação
- Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade
- Esquizofrenia
- Doença de Alzheimer
- Autismo



Esses outros são os médicos peritos do INSS ou judicial, são funcionários de várias especialidades, nem sempre a área de especialidade corresponde ao seu caso, esses profissionais é que vão perante ao INSS ou a justiça atestar que você está em condições de laborar, mesmo com exames e laudos dos médicos assistencialistas especializados na área do seu problema, e creia, mesmo não sendo especialista, os peritos tem mais autoridade que eles.


O laudo do médico e do perito do INSS não coincidem?

A advogada previdenciária Marta Gueller fala sobre o assunto

dura realidade de quem tem uma aposentadoria forçada inclui inúmeros constrangimentos: dentre eles despesas decorrentes da doença, redução do salário e ainda tem a perícia da Previdência Social, na maioria das vezes para provar que realmente está doente.
Além de inúmeros exames e o laudo do médico do trabalho, a avaliação do perito do INSS também é obrigatória. O secretário da Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social (ANMP ), Miguel Tabacow,  afirma que os critérios usados pelos médicos do trabalho são diferentes dos peritos do INSS. “O médico do trabalho vai adequar as diversas situações do trabalhador às situações de cada posto de trabalho que existe nas empresas”. Segundo Miguel, a avaliação deveria acontecer a cada dois anos, mas faltam peritos para isso.
A advogada previdenciária Marta Gueller orienta como agir nesses casos:


Primeiro vocês verão a humilhação em que um vigilante bancário é sujeito, este vigilante foi demitido por exigir que se cumpra a lei da CLT mas como neste país os grandes não cumprem a lei, e os pequenos precisam trabalhar, vivem sendo humilhados de todas as maneiras, uma vez pelos funcionários do banco, pelos fiscais das firmas terceirizadas, pelos clientes na porta giratória e agora como mostra esse vídeo, até no seu momento de almoçar, tendo de almoçar escondido no banheiro, isto se o gerente for camarada e não denunciar ele, senão é demissão por justa causa.
VIGILANTE DE BANCO É DEMITIDO - 26-01-2012

Como se não bastasse as humilhações os vigilantes convivem com o eterno pensamento de que a agencia será assaltada e todos são suspeitos, esta pressão psicológica ele vai carregar pela vida toda, até na rua ele está sujeito a ser alvo dos assaltantes de banco.

Quadrilha armada com fuzis assalta banco em Iguaba; a agência estava fechada.flv


Não estou querendo justificar a atitude errada dos vigilantes, mas vivemos em eterno conflito com todo mundo pois se fazemos nossos serviços corretamente, sempre haverá alguém que não irá gostar e irá reclamar com o gerente, então teremos de seguir as ordens do gerente e burlar a lei da nossa firma , caso contrário pedirão a nossa cabeça vivemos sobre pressão pronto para explodir, e quando explodimos, ainda somos nós que somos culpados, sem ter nenhum tipo de apoio, principalmente psicológico, e quando procuramos ajuda médica, batemos de frente com os peritos do INSS, quem vocês acham que é o verdadeiro culpado? 


Segurança de banco mata cliente na Grande SP


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário